Artigos

A resistência dos povos a ocupação portuguesa nos séculos XVII/XIX

Nesta lição, vais conhecer as diferentes formas de resistência do nosso povo a dominação portuguesa, no Sul, Centro e Norte de Moçambique.

 

Pede aos teus pais ou avs que falem das lutas de resistência à dominação colonial. Regista no teu caderno para apresentar aos teus colegas.

 

A resistência no Sul de Moçambique

No sul de Moçambique, a resistência teve varias formas, tais como:

  • A recusa ao pagamento de impostos, por exemplo, o ‘imposto de palhota’’ ,por parte da população.
  • Os ataques dos guerreiros locais aos postos militares portugueses.

 

Temos vários exemplos de resistência. Na região de Marracuene, próximo do local onde se situava o posto militar portugueses de Anjoane, os guerreiros locais reagindo à atitude dos soldados portugueses, que queimaram palhotas da população, por esta não ter pago os impostos, prenderam o comandante do posto de Anjoane e seus soldados.

Os portuguese, face à resistência local, são obrigados a estabelecer alianças com alguns chefes da povoação. Matibejane, chefe de Zixaxa e Mangunduane, chefe de Moamba, recusaram aliar-se aos portugueses e atacaram, em 1894, Lourenço Marques, na zona Sul, o poder português.

 

Estes vieram a ser derrotados pelas tropas de António Enes, envaidas de Portugal, em 1895.

BAIXE TAMBEM:  BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL

Os portugueses tiveram de resistir por varias vezes aos ataques dos chefes locais, alguns fiéis ao imperador Ngunguhane.

Ngungunhane enfrentou com êxito os portugueses em várias batalhas, mas por traição de alguns dos seus chefes foi preso a 28 de Dezembro de 1895 e deportado para o Arquipélago dos Açores em Portugal.

 

 

A resistência no centro de Moçambique

No centro de Moçambique os antigos prazeiros e chefes de alguns estados militares do vale Zambeze resistiram ao domínio português temos a destacar a valentia do chefe Cambuemba que também, com o seu exercito de A-Chicundas, lutou durante contra os portugueses, a revoltadas populações em Barué, que negavam participar na construção de estradas e no alimentos para o exercito português.

 

Resistência no Norte de Moçambique.

No norte de Moçambique, a ocupação colonial portuguesa não foi facilitada pelos chefes locais, com destaque para os chefes dos Namarrais (no dado ao povo da região entre Monapo e Ilha de Moçambique) que juntaram os seus guerreiros contra os portugueses.

Violentas e sucessivas batalhas foram travadas com vitórias para os chefes locais.

 

Alguns chefes notabilizaram-se nessas lutas, como, por exemplo, Mocutu-Munu e Ibrahimi, Farlahi de Angola, Mataca de Niassa e Mussa-Quando em Nampula. Farlahi foi preso em 1910 e depertado para a Guiné, onde veio a morrer em 1912.

BAIXE TAMBEM:  (pdf) Dosificação da disciplina de história 9ª classe

Em Cabo Delgado, onde a resistência foi mais longa, os guerreiros do planalto de Mueda lutaram contra os portugueses, que só conseguiram dominar a região em 1920.

 

Actividades

  1. Identifica as formas de exploração e repressão que obrigaram as populações a revoltar-se contra os portugueses do posto de Anjoane, no Sul de Moçambique.
  2. Quais foram os chefes do sul de Moçambique que lutaram abertamente contra os portugueses.
  3. Explica como foi a resistência no centro de Moçambique.
  4. Descreve a resistência do Norte de Moçambique com destaque para os chefes que resistiram a ocupação portuguesa.
  5. Faz uma composição retratando as formas de exploração e de humilhação das populações nas aldeias, no período do domínio portuguesa.

 

Recordemos

A resistência da população de Moçambique leve lugar em todas as regiões do nosso pais, Sul, Centro, Norte, ao longo do processo de ocupação efectiva, os portugueses sofreram uma forte resistência, e só conseguiram ocupar o nosso país possuíam armas modernas e poderosa e por traição de alguns chefes locais que se aliaram a eles traindo assim as populações locais.

 

Bibliografia:

 

Leave a Response

error: Content is protected !!